Busca no site
buscar no site
Notícias
26/05/2012

A Expansão da Demanda

Espero que não seja um mero espasmo, mas que represente uma nova atitude da indústria hoteleira no cenário turístico brasileiro. Até hoje os hoteleiros sempre olharam para o ?seu próprio umbigo?, ou seja, atuaram sob a concepção de que o hotel era a atração e investiam em promoções baseadas em tal filosofia.

É claro que os resultados poderiam ser satisfatórios para um ou outro hotel, mas não repercutia no desenvolvimento geral do turismo. Pois agora, o tema central do próximo Conotel (Congresso Nacional da Hotelaria) será justamente o da análise da função do hotel na expansão da demanda.

A ABIH RS é uma das seccionais da ABIH Nacional a apoiar a tese de que a visão da indústria hoteleira deveria ser mais ampla, buscando ocupar espaço na coordenação dos destinos do turismo nacional, deixando de ser mera tutelada dos movimentos de outras entidades congêneres e órgãos governamentais.

[caption id="attachment_131" align="alignright" width="300" caption="teste legenda"][/caption]

A hotelaria brasileira, em conjunto, administra imenso patrimônio na indústria turística, comparável, talvez, ao transporte aéreo. Apesar desse potencial, li reportagem no Jornal do Comércio de Porto Alegre sob o título ?Viagem de incentivo movimenta o mercado?, de autoria de Larissa Mamouna. O subtítulo de apoio destacava ?Embratur, operadoras e agências preparam pactos com destinos especiais para dinamizar o setor?.

Em toda a reportagem, hotéis e suas entidades sequer foram citados. Não, não é falha da jornalista. Certamente a indústria hoteleira não está envolvida, apesar de todo o seu potencial e seu interesse, na macro-discussão sobre viagem de incentivo. Para nós, gaúchos, a situação é pior. Tudo converge para Rio de Janeiro, Salvador e Manaus. E estamos falando num mercado consumidor de aproximadamente R$ 10 bilhões por ano.

É necessário que a indústria hoteleira assuma seu papel como protagonista na cena turística, superando-se como coadjuvante. Qual é a diferença: um protagonista determina seu salário (diária) e o coadjuvante recebe o pagamento estipulado pelo produtor (fluxo turístico).