Busca no site
buscar no site
Notícias
15/03/2018

Na crise, Laghetto cresce

O Laghetto entrou no pós-copa com 5 hoteis e está participando do coquetel de encerramento da crise 4 anos depois, com tres vezes mais endereços. A empresa opera propriedades, condo-hoteis e está se insinuando em operações de gestão de condomínios multipropriedade. 
 
Crescer neste período e nesse segmento, pode ser considerado uma raridade, e os rankings não deixam dúvidas, pois, em termos de turismo, o principal destino do sul do Brasil, Gramado caiu de 1º para 9º na cabeça dos turistas e em termos de eventos, a cidade realizou apenas um evento internacional em 4 anos, Porto Alegre caiu de 3º para 7º, em 2018, a capital gaucha pode sumir da lista das cidades-destinos dos eventos internacionais (Gramado já sumiu), o Estado desmantelou a estrutura de promoção do receptivo dos destinos, boa parte das empresas vendedoras de turismo e um mesmo tanto de empresas organizadoras de eventos, fecharam as portas ou se mudaram para outros estados.
 
O Frontdesk fez 5 perguntas para Plínio Ghisleni, presidente do conselho da Administradora Hoteleira Laghetto, para entender este milagre da multiplicação em tempos de vacas magras.
 
Triplicar a rede foi fácil?
Nunca foi fácil e exigiu muita criatividade e coragem. Em alguns casos a empresa abriu mão da segurança do lucro fácil para se emparceirar com os investidores para garantir a saúde do negócio para as duas partes.
 
A rede pretende priorizar o estado em termos de novos endereços da marca Laghetto?
A prioridade número um é o crescimento, tanto em termos de endereços como de faturamento. A localização de um hotel dentro de um destino é o ponto mais importante da sua existência e a malha que tecemos em forma de rede, leva em conta a oportunidade e as possibilidades de retorno. Por isso mesmo, tanto dentro do estado como em outros, o que determina a presença das nossas marcas, são as oportunidades.
 
A Multipropriedade é a nova tendência para a criação de novos hoteis?
Pode não ser tendência, mas, é a saída para um mercado pouco estimulado a investir em produtos de retorno a longo prazo. De qualquer forma, um não substitui o outro. Enquanto o investidor em condo-hoteis é um investidor patrimonial, em busca de segurança e retorno financeiro, quem participa do mercado compartilhado está em busca de se tornar usuário, e não investidor pura e simplesmente.
 
Gramado chegou no limite para novos hoteis?
Gramado como destino turístico ainda tem muito a crescer. Há vinte anos, um gerente de hotel declarou em um seminário que a cidade não tinha mais para onde crescer. Ela ostentava números modestos: 300 mil turistas/ ano, 20 hoteis de pequeno porte e acessos por estradas sofríveis. As estradas se adequaram, os meios de chegada e saída se multiplicaram, as propriedades tambem e o movimento se multiplicou por 20. A população dobrou, a renda per capta disparou, a qualidade de vida tornou-se um padrão e a cidade que era lembrada por causa de uma marca industrial, tornou-se ela mesma em uma marca em si e, por acaso, a mais desejada do Brasil, uma das tres da América e ocupa um bom lugar em termos globais. Gramado, hoje é conhecida no mundo todo e recebe investidores de tudo quanto é lugar, desejosos de fazer negócios com quem está fazendo sucesso. Alguns cuidados precisam ser tomados, para manter a qualidade e a mobilidade, mas, em termos de limites, a cidade ainda tem muito como se expandir.
 
Canela é a bola da vez?
Canela é conurbada com Gramado e o que é bom para uma, é bom para a outra tambem. É natural que a expansão desta malha de investimentos ultrapasse a fronteira geográfica e abranja os outros municípios em volta".
 
O que fazer para reverter este quadro pessimista que assola o estado gaucho?
Quem está pessimista? O estado não pensa, não sente nem se expressa. Quem está pessimista é uma fração dos seus cidadãos que perderam algo em ternos de qualidade de vida, renda, segurança ou perspectivas de futuro, mas, isso se recupera com suor, amor e trabalho. Por isso, vamos nos aplicar em busca de mais sonhos, vamos gostar mais ainda do que fazemos, tirar prazer do esforço e trabalhar ainda com mais paixão em servir (slogan da empresa), pois, "sucesso" só vem depois do "trabalho", como no dicionário.
(José Justo)
_____________________________________________

FrontDesk é um boletim informativo com assuntos de interesse da Cadeia Produtiva do Turismo do Sul do Brasil, enviado para 26.431endereços. 
Envie-nos sua opinião ou informação para o e-mail: 
frontdesk@frontdesk.tur.br
Editores: Renato Brenol Andrade & José Justo 54 999 143 117